4 motivos para sair de um estágio (e alguns para ficar)!


26/06/2018
Por Cia de Talentos

Conseguir aquela vaga de estágio é uma tarefa muito difícil, não é mesmo? Sair dela também pode ser. Então, vamos descomplicar isso?
 
Tudo bem que sair de um estágio não é a mesma coisa que sair de uma festa que não está curtindo, ou trocar os canais da TV até encontrar algo que realmente valha a pena ser assistido. Muito se fala que a época de fazer estágio é um período de experimentação, mas “experimentar” o mercado de trabalho não é a mesma coisa que experimentar sapatos antes de comprá-los ou provar roupas antes de sair de casa.
 
Pois bem, vivemos em uma época em que cada vez mais o propósito e a satisfação pessoal são cruciais para o público que está chegando ao mercado de trabalho, portanto, queremos te ajudar a pensar quando a balança entre o “continuar” e o “sair” do estágio começar a oscilar.
 
Veja a seguir cinco motivos a serem considerados quando você decidir “pedir para sair”:
 
1 - APRENDIZADO
 
...ou a falta dele!
No passado, os profissionais precisavam aprender para o trabalho. Hoje, aprendem com ele e é justamente o aprendizado um dos grandes mobilizadores para o trabalho. Quando essas possibilidades se encerram, o indicador de que chegou a hora de buscar novos aprendizados, em novos lugares, se acende. Mas vale um ponto de atenção: nem sempre as grandes lições surgem em poucos dias ou em algumas semanas. Às vezes, elas levam tempo. Então, antes de sair por entender que não há mais o que aprender, garanta que as possibilidades realmente se esgotaram!
 
2 – VIDA PROFISSIONAL x VIDA ACADÊMICA
 
Cada um tem um jeito de aprender. Há os que se bastam apenas participando das aulas, tem aqueles que conseguem aproveitar qualquer tempo livre para dar conta dos trabalhos da faculdade e os que precisam de um tempo extra antes da prova, caso contrário, já sabe que não vai se sair bem. O “x” da questão é analisar quando o trabalho passa a ocupar um espaço maior na sua vida a ponto de atrapalhar seu rendimento na vida acadêmica.

Se isto está acontecendo é importante buscar um espaço, uma vaga, uma empresa que respeite seus horários que devem ser dedicados às tarefas da universidade. Lembre-se: sem diploma, sem vagas lá na frente! É preciso levar o currículo acadêmico à sério também.
 
3 – VALORES PESSOAIS
 
Imagine que você está em uma festa e vai embora dela porque não se identifica com quem está lá. Sabe aquela sensação de pertencer a algo ou a um movimento? Então, se você opta por ir embora é porque não encontrou isso aonde está.
 
Exatamente a mesma coisa pode acontecer em um estágio. Por mais que antes de se aplicar à vaga e durante o processo seletivo o candidato procure saber sobre a cultura da empresa, é a vivência que mostrará a ele se faz sentido ou não permanecer ali. Claro que os processos seletivos existem para minimizar esse impacto, mas se ele acontecer não há porque insistir numa relação que não faz sentido (igualzinho nas relações entre pessoas, né? #dicapravida).
 
4 – OUTRAS OPORTUNIDADES
 
Oportunidades surgem a todo momento e temos que estar abertos a elas e filtrar aquilo que faz sentido para nós, em cada momento da nossa vida. Um intercâmbio, por exemplo. Assim como a possibilidade de estudar fora, ou trabalhar num outro lugar que faça muito mais sentido com seus valores e propósitos.
 
O mais importante aqui é ter clareza do que aquela experiência irá lhe proporcionar e entender se está alinhada com as expectativas do seu momento de vida atual. Quando se fala de carreira é importante pensar no hoje, mas também no amanhã. Portanto, avalie o que essa outra oportunidade pode agregar para você e que poderá contar lá na frente, numa futura entrevista de trabalho. Pense: de que forma esta vivência vai me ajudar a desenvolver competências e a me formar profissionalmente?
 
Alguns motivos para ficar:
 
Todos estamos carecas de saber que a geração Z é muito imediatista e têm dificuldade de se aprofundar – e isto não é defeito, apenas é uma característica, fruto de uma série de transformações sociais. Por isso, se desentender com o gestor ou com seus pares de trabalho na primeira semana de trabalho, fazer tarefas mais operacionais ou repetitivas em alguns momentos, achar que não está aprendendo nada em pouco tempo de empresa são alguns motivos que devem ser revistos antes de pedir para sair. Voltando ao exemplo da festa: você pode até sair lá de dentro por não se sentir bem, mas não convém sair se não gostou de uma das bebidas que estão sendo servidas, sendo que provou apenas ela.
 
Estágio é o momento de se abrir ao novo, de ser protagonista, de iniciar uma trajetória profissional. Por isso, um pouco de ousadia e experimentação (no sentido de abrir a mente e ampliar horizontes), não faz mal a ninguém.
 
Sucesso hoje e sempre, neste ou num próximo estágio!
 
Luís Maurício
Consultor de recrutamento e seleção, relações públicas por formação, escritor e criador de histórias de coração. Se há algo que o interessa neste mundo, é ajudar pessoas! Escrever foi uma das formas que encontrou para isso.